domingo, 27 de fevereiro de 2011

Avareza e Desprendimento

São Paulo classifica a avareza como idolatria. A razão do Apóstolo ver desta forma o apego aos bens materiais, sobretudo ao dinheiro, é que isto faz a pessoa amá-lo como a um deus. Torna-se escrava da riqueza, e no seu altar queima um incenso perigoso. Desde o princípio, Jesus alertou os discípulos para a impossibilidade de servir a dois senhores (Mt 6, 24). O que importa é que a pessoa não seja escrava do dinheiro e dos bens. É claro que todos nós precisamos de dinheiro; o próprio Jesus tinha um “tesoureiro” no grupo dos Apóstolos; e é importante notar que foi exatamente Judas quem se perdeu. Isto não quer dizer que foi só por causa do dinheiro, mas o evangelho não deixa de dizer que ele era ganancioso.

São Paulo afirma que “a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro”. (1Tm 6, 10). Veja que, portanto, o mal, não é o dinheiro em si, mas o “amor” ao dinheiro; isto é, o apego desordenado que faz a pessoa buscar o dinheiro como um fim, e não como um meio.

Esta desordem, a ganância, se apresenta quando a pessoa só pensa em acumular riquezas, colocando nelas o seu coração, as suas aspirações, a sua segurança, etc., ao invés de colocá-las em Deus. Desta forma, a riqueza passa a substituir o próprio Deus; daí a razão de ser de São Paulo chamar a avareza de idolatria.

Por causa do dinheiro, muitos aceitam praticar a mentira, a falsidade e a fraude. Quantos produtos falsificados! Quantos quilos só possuem 900 gramas! Quanta enganação e trapaça nos negócios! Não é verdade que mesmo entre os cristãos, tantas vezes um engana o outro em algum negócio? E tudo acontece por amor ao dinheiro. Que possamos pedir a Deus neste momento um coração novo, totalmente desapegado dos bens materiais e disposto a reconhecer o Senhor como fonte de toda a nossa alegria.

Autor: Prof. Felipe Aquino - http://www.cleofas.com.br
Comentários

Compartilhe na Rede

Twitter Delicious Facebook Digg Favorites Stumbleupon More