terça-feira, 29 de março de 2011

Comentários sobre o "casamento Shrek"

Primeiramente a notícia resumida em azul, depois os meus comentários, enquanto católico, totalmente ofendido e triste pelo ocorrido.

(1) Aconteceu na Igreja Matriz São Pedro de Garibaldi, diocese de Caxias - RS, uma celebração de matrimônio, onde os noivos se vestiram como Fiona e Shrek (personagens do filme Shrek). Convidados e testemunhas (padrinhos) também se vestiram como outros personagens do filme ou de outros contos infantis.

A "cerimônia" aconteceu com autorização e assistência do Frei Antoninho Pasqualon. O casal, Denise Flores (cabeleireira) e Marcelo Basso (empresário), usaram do espaço da igreja para realizar o que, segundo eles, era um "sonho", por serem fãs do filme.

Juntamente com o convite de casamento (no estilo medieval) a noiva entregou um cartão aos 600 convidados com os escritos "Quem nunca sonhou com um cavaleiro ou ser um cavaleiro, montado em um cavalo branco e armadura reluzente em busca de sua cara-metade?".

Obviamente que a cerimônia gerou protestos e críticas severas à diocese de Caxias do Sul. O bispo, após receber muitas reclamações (principalmente por e-mail) emitiu uma nota advertindo o pároco que abriu a Igreja Matriz de Garibaldi para a celebração deste casamento e também os noivos (2).

Clique aqui para ver mais fotos da celebração.

COMENTÁRIOS

Não me espanta que alguém tenha essa idéia, de querer casar com "temáticas", afinal, a população brasileira (incluindo muitos "católicos") desconhece o valor e o sentido do Sacramento do Matrimônio tanto que o divórcio hoje é praticamente uma "moda". O que me espanta é que essa cerimônia tenha acontecido dentro de uma igreja católica, autorizada por um sacerdote.

Já não bastassem profanações que acontecem nas Celebrações Eucarísticas como "Missa-Show", "Missa de Macumba", "Missa de Cura e Libertação", dentre outras, agora vejo na TV e em diversos jornais, a triste notícia de um Frei que autorizou e assistiu um casamento como esse.

Conforme noticiado no site ZeroHora, TODOS os 600 convidados estavam vestidos como personagens do filme ou de outros contos infantis.
DESDE QUANDO A IGREJA É PALCO PRA TEATRO? DESDE QUANDO A CELEBRAÇÃO DO SAGRADO MATRIMÔNIO É APENAS UM DIVERTIMENTO À MERCÊ DAS VONTADES MUNDANAS?

Desde quando pode-se abandonar o Ritual do Matrimônio, tão sabiamente ensinado pela Santa Igreja para fazer do Sagrado Matrimônio um teatro, e ainda profanizar um templo, diante do Santíssimo Sacramento?

Hoje, lamentavelmente, é comum vermos alguns padres cedendo à pressão das "Máfias do Casamento", empresas de noivas/vestidos/ornamentos que pouco ou nada entendem do valor de um Sacramento e enxergam a celebração do Matrimônio somente como uma forma de negócio.

Um trágico acontecimento como esse nos leva a refletir sobre nossa função, como leigos, de ajudar o bispo diocesano. O bispo não é onipresente nem onisciente, por isso cabe aos leigos, quando souber de algo profano ou errado acontecendo, denunciar formal ou informalmente ao bispo, para que este tome as devidas providências.

Profanações como essa acontecem por diversos motivos, dos quais cito apenas três:
  1. Padres mal formados e que se deixam levar pela "vontade dos noivos".
  2. Má formação catequética dos noivos, incluindo o chamado "curso de noivos", que nesse caso deve ter sido falho para deixar brechas a uma profanação tão grande como essa.
  3. Leigos que não fizeram sua obrigação de denunciar ao bispo diocesano (Conf. Mt 18,17).
Aproveito a ocasião para relembrar alguns outros erros que também ocorrem na celebração do Sagrado Matrimônio. Erros que, ainda que não sejam tão graves como esse "casamento teatro", também tornam o sacramento ilícito e demonstram a falta de consciência dos casais e a falta de fidelidade do sacerdote que autoriza.
  1. Músicas para Casamento: Embora seja comum vermos "músicas românticas" (Titanic, Bryan Adams, Roberto Carlos, etc) em uma celebração do Matrimônio, as músicas (TODAS) devem ser litúrgicas. Não basta ser católicas ou com temática religiosa, mas tem que ser litúrgicas e adequadas ao momento sagrado que está acontecendo. Lembrando o que ensina o Papa João Paulo II, que a música é tanto mais sacra e litúrgica, quanto mais se aproximar do canto gregoriano.
  2. Ritual do Matrimônio: A forma ordinária e que deve ser usada com mais frequências nas celebrações do Matrimônio é o Rito dentro da Santa Missa, os próprios livros litúrgicos ensinam que a celebração pode ser feita fora da Santa Missa em casos específicos, por exemplo, se um padre possui uma Missa logo em seguida, ou por questões de tempo. Infelizmente não é o que vemos, já que a maioria das celebrações são feitas, e dá-se mais ênfase à festa que acontece ao final, do que à celebração propriamente dita.
  3. Vestido de Noiva: Os vestidos devem ser modestos e comportados, refletindo a pureza e a dignidade do sacramento, sobre isso existe um texto na parte de "críticas", chamado "Vestido de Noiva", o qual recomendo a leitura.
A notícia já está na mídia secular, e muita gente já está massacrando o bispo local por ter "criticado o casamento temático", imagino que esse episódio será como o episódio de Dom José Cardoso Sobrinho, que foi martirizado unicamente por defender a vida de duas crianças, no ventre de outra criança, no ano de 2009.

Roguemos a Deus pela Igreja no Brasil, afim de que não mais aconteçam profanações e desrespeitos como esse e para que dê forças aos bispos para suportar as críticas seculares.

Autor: Everton do N. Siqueira

Referências:


 (2) Conferir a Nota da Diocese de Caxias, disponível na sessão "Documentos", deste blog.
Comentários

Compartilhe na Rede

Twitter Delicious Facebook Digg Favorites Stumbleupon More