quarta-feira, 9 de março de 2011

A religião do sexo x a Religião da covardia

"Porque todas as nações beberam do vinho da ira de sua luxúria.(Ap 18,3)

Há um movimento mundial para banalizar as relações humanas e transformar os seres humanos em objetos ou coisas cuja finalidade última e exclusiva deve ser a busca do prazer. Em última análise, trata-se infelizmente de uma verdadeira idolatria do corpo e da sexualidade humana.

A Unicef (1), a ONU, a UNESCO (2) e diversas outras entidades “supostamente” humanitárias, lideram iniciativas afim de ensinar e propagar o sexo livre e banalizado a nível global. Em diversos países, como a Inglaterra e a Espanha, essa realidade já existe e os livros didáticos que servem de guia para a educação das crianças e jovens afirmam, dentre outras coisas absurdas, que deve-se fazer sexo o quanto antes, que é normal trair a esposa, ou que a masturbação é algo "natural" e usam dos piores embustes cientificistas para justificar essa pedagogia da libertinagem.

No Brasil, que há décadas vive uma ditadura esquerdista, a situação não poderia ser diferente; em 2006, diversas pessoas já criticaram duramente uma cartilha do governo que ensinava as crianças a se masturbar (3). O escritor e colunista Reinaldo de Azevedo, em 2007 já escreveu um alerta sobre uma cartilha do governo Lula que estimulava alunos de 13 a 19 anos a "narrar suas transas" em sala de aula (4). Seria quase impossível citar todas as trapaças e imoralidades promovidos pelo nosso governo, até mesmo porque grande parte delas são feitas de forma camuflada, por ex: Eles não dizem diretamente : “crianças de 08 anos, masturbem-se!”, mas colocam nos livros de forma aveludada, alegando que “não é ruim, não cria pêlos, faz parte do desenvolvimento”, etc.

Aliado a isso, difundem-se também o pensamento errôneo que muitas pessoas fazem em relação à posição da Igreja sobre a sexualidade humana. Para estes ignorantes em assuntos teológicos, mas vistos como gurus pela sociedade, a Igreja vê o sexo como algo sujo, pecaminoso e que deve ser banido e reprimido. Assim, a sociedade acaba taxando a Igreja de retrógrada e quadrada, e os ditadores da libertinagem conseguem exatamente o seu resultado final: Liberar o sexo geral em todo e qualquer ocasião, basta ver a situação dos carnavais brasileiros!

A mídia, obviamente, apóia esse pensamento deturpando conceitos, doutrinas e ensinamentos transmitidos pela Igreja, em algumas vezes, chegam ao extremo de dizer exatamente o contrário àquilo que corresponde à verdade proclamada em seus 2000 anos de cristianismo.

Mas o que mais me espanta, porém, não é o barulho promovido pelos militantes ateus e imorais e sim o silêncio dos cristãos.

Enquanto a religião do sexo cresce em ritmo constante, a Religião Verdadeira se cala; a Igreja, que outrora tivera mártires capazes de derramar seu sangue na defesa dos valores do Evangelho, hoje é formada por cristãos fracos e covardes que se calam perante as iniqüidades. Salvo uma pequena minoria, os cristãos continuam em suas vidas normais e cotidianas, alguns até continuam a dizer que amam a Deus, ao mesmo tempo em suas atitudes mostram o contrário, quando concordam e baixam a cabeça para a tática diabólica de acabar com a moral sexual da nossa sociedade.

“Não há verdadeiro amor ao bem, quando não há proporcional ódio pelo mal; Não há verdadeiro amor a Deus quando não se tem proporcional ódio pela heresia e pela depravação moral.”


Autor: Everton do N. Siqueira

Referências:


(1) O lado "negro" da UNICEF
(2) Conservadores criticam guia da Unesco sobre educação sexual
(3) Caderno do governo para alunos diz que masturbação é natural
(4) Cartilha do governo Lula estimula alunos de 13 a 19 anos a narrar suas “transas”
Comentários

Compartilhe na Rede

Twitter Delicious Facebook Digg Favorites Stumbleupon More